A autopercepção do estado de saúde e sua relação com fatores socioeconômicas e de risco em hipertensos na atenção básica

Roberto Allan Ribeiro Silva, Poliane Osrmira Rodrigues Sakon

Resumo

Resumo: Objetivo: verificar a relação da autopercepção do estado de saúde de um grupo de hipertensos com variáveis socioeconômicas e de risco. Metodologia: trata-se de um estudo de campo observacional, transversal analítico de abordagem quantitativa. Realizado em uma unidade básica de saúde do município de Janaúba, incluindo 35 hipertensos de ambos os sexos 11 (31,4%) do sexo masculino e 24 (68,6%) do sexo feminino com idade superior a 40 anos, os dados foram coletados com consulta aos prontuários, questionário e entrevista semiestruturada e a associação entre as variáveis foi realizada por meio do Teste Exato de Fisher. Resultados: os resultados indicaram uma incidência maior da autopercepção negativa do estado de saúde nesta população de hipertensos em relação à população geral, apenas a relação com o diabetes e a escolaridade apresentaram significância estatística, todavia, considerando a subjetividade dessa autoavaliação, a ausência de significância é um achado importante. Conclusão: a autoavaliação do estado de saúde capta, além da exposição a doenças, o impacto que estas geram no bem-estar físico, mental e social dos indivíduos. A sua utilização para orientar a prática requer a adoção de uma visão holística do paciente que o perceba em sua totalidade dada a complexidade deste indicador. Os dados encontrados reforçam essa complexidade a medida que expõe a subjetividade de cada sujeito, oportunizando um olhar para além dos indicadores brutos, mas voltados para a reação dos indivíduos com estas variáveis.

Palavras-chave

Palavras-chave: Autopercepção; Nível de Saúde; Hipertensão Arterial; Atenção Primária à Saúde; Qualidade de Vida.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

BORIM, F. S. A.; BARROS, M. B. A.; NERI, A. L. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saude Publica. v. 28, n. 4, p. 769-780, 2012. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2017.

CARDOSO, J. D. C.; et al. Poor self-rated health and associated factors among elderly urban residents. Rev Gaucha Enferm. v. 35, n. 4, p. 35 - 41, 2014. Disponível em: . Acesso em 25 mar. 2017.

PETARLI, G. B.; et al. Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados: um estudo em trabalhadores bancários. Cad. Saude Publica, Rio de Janeiro. v. 31; n. 4; p. 787-799, 2015. Disponível em: . Acesso em 25 mar. 2017.

STENHOLM, S.; et al. Trajectories of self-rated health in the last 15 years of life by cause of death. Eur. j. epidemiol v. 31, n. 2, p. 177-85, 2016. Disponível em: . Acesso em 23 mar. 2017.

THEME FILHA, M. M.; et al. Prevalence of chronic non-communicable diseases and association with self-rated health: National Health Survey, 2013. Rev. bras. epidemiol v. 18, s. 2, p. 98-96, 2015. Disponível em: . Acesso em 05 mar. 2017.

CARVALHO, M. V.; et al. The influence of hypertension on quality of life. Arq bras cardiol v.100, n. 2, p.164-174, 2013. Disponível em: . Acesso em 12 abr. 2017.

TOCCI, G.; et al. Multivariate risk assessment and risk score cards in hypertension. Vasc health and risk manag. v. 3, n. 3, p. 313-320, 2007. Disponível em: . Acesso em 20 abr. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva 2011. [internet]. 2011. Disponível em: http://www.who.int/nmh/publications/ncd_report2010/en/. Acesso em 25 abr. 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO; et al. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq Bras Cardiol 2005; 84(Supl.1):1-28. Disponível em: . Acesso em 14 abr. 2017.

XAVIER, H. T.; et al. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol 2013; 101(4, Suppl.1):1-20. Disponível em: < http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias.pdf>. Acesso em 19 abr. 2017.

PAGOTTO, V.; BACHION, M. M.; SILVEIRA, E. A. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Rev. panam. salud pública v. 33, n. 4, p. 302-310, 2013. Disponível em: < https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/2013. v33n4/ 302-310/pt>. Acesso em 22 abr. 2017.

NAYAK, S.; et al. Characteristics associated with self-rated health in the CARDIA study: Contextualising health determinants by income group. Prev Med Rep. v. 4, p. 199-208, 2016. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27413683>. Acesso em 27 mar. 2017.

HUSMAN, M.; LENTHE, F. V.; MACKENBACH, J. The predictive ability of self-assessed health for mortality in different educational groups. Int j epidemiol v. 36, n. 6, p. 1207-1213, 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17510069. Acesso em 28 mar. 2017.

SINGH-MANOUX, A.; et al. Self-rated health and mortality: short- and long-term associations in the Whitehall II study. Psychosom Med v.69, p. 138-143, 2007. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17289825>. Acesso em 28 mar. 2017.

NERY GUIMARÃES, J. M.; et al. Association between self-rated health and mortality: 10 years folow-up to the Pró-Saúde cohort study. BMC Public Health v.12, n. 676, p. 1-10, 2012. Disponível em: . Acesso em 27 mar. 2017.

DELPIERRE, C.; KELLY-IRVINGM; LANG, T. About the Role of Socioeconomic Position on the Relation Between Objective Health Status and Self-Rated Health: A Rapid Commentary on Dowd’s Article. Ann Epidemiol v. 21, ed. 5, p. 387, 2011. Disponível em: . Acesso em 27 mar. 2017.

DONG, W. L.; et al. Self-rated health and health-related quality of life among Chinese residents, China, 2010. Health Qual Life Outcomes v. 14, n.5, 2016. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4709902/>. Acesso em 05 abr. 2017.

PAGOTTO, V.; NAKATANI, A. Y. K.; SILVEIRA, E. A. Fatores associados à autoavaliação de saúde ruim em idosos usuários do Sistema Único de Saúde. Cad. Saude Publica v. 27, n. 8, p.1593-1602, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo .php?pid=S0102-311X2011000800014&script=sci _abstract&tlng=pt>. Acesso em 04 abr. 2017.

ONADJA, Y.; BIGNAMI, S.; ROSSIER, C.; ZUNZUNEGUI, M. V. The components of self-rated health among adults in Ouagadougou, Burkina Faso. Popul Health Metr p. 11:15, 2013. Disponível em: . Acesso em 04 abr. 2017.

CASE, A.; PAXSON, C. Sex differences in morbidity and mortality. Demography v. 42, p. 189-214, 2005. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 15986983>. Acesso em 08 abr. 2017.

ZHENG, H.; THOMAS, P. A. Marital Status, Self-Rated Health, and Mortality: Overestimation of Health or Diminishing Protection of Marriage? J Health Soc Behav v.4, n. 1, p. 128 - 143, 2013. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/23321283>. Acesso em 09 abr. 2017.

ROHRER, J. E.; et al. Marital Status, Feeling Depressed and Self-rated Health in Rural Female Primary DACHS Care Patients. J Eval Clin Pract v.14, p. 214–217, 2008. Disponível em: . Acesso em 15 abr. 2017.

LIU, H.; UMBERSON, D. The Times They Are a Changin': Marital Status and Health Differentials from 1972 to 2003. J Health Soc Behav v.49, n. 3, p. 239-253, 2008. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3150568/>. Acesso em 19 abr. 2017.

ASSARI, S.; LANKARANI, M. M.; BURGARD, S. Black–white difference in long-term predictive power of self-rated health on all-cause mortality in United States. Ann. Epidemiol v. 26, n. 2, p.106 - 114, 2016. Disponível em: . Acesso em 19 abr. 2017.

LEE, S. J.; et al. The Relationship Between Self-Rated Health and Mortality in Older Black and White Americans. J Am Geriatr Soc v. 55, p. 1624 –1629, 2007. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17697102>. Acesso em 29 abr. 2017.

DELPIERRE, C.; et al. What role does socio-economic position play in the link between functional limitations and self-rated health: France vs. USA? Eur J Public Health v. 22, p. 317-321, 2012. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/ 21659390>. Acesso em 30 abr. 2017.

PASKULIN, L. M. G.; VIANNA, L. A. C. Sociodemographic profile and self-referred health conditions of the elderly in a city of Southern Brazil. Rev Saude Publica v.41, n.5, p.757-768, 2007. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/17923897>. Acesso em 02 mai. 2017.

BORIM, F. S.; NERI, A. L.; FRANCISCO, P. M.; BARROS, M. B. Dimensions of self-rated health in older adults. Rev. Saude Publica v. 48, n.5, p.714-722. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4211567/>. Acesso em 08 mai. 2017.

Lang T; Delpierre C. How are you?’: what do you mean?. Eur J Public Health v. 19, n. 4, p. 353, 2009. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 19549799. Acesso em 09 mai. 2017.

BOMBAK, A. E. Self-Rated Health and Public Health: A Critical Perspective. Front Public Health v.1, n.15, 2013. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ PMC3855002/>. Acesso em 12 mai. 2017.

PETARLI, G. B.; et al. Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados: um estudo em trabalhadores bancários. Cad. Saude Publica v. 31 n. 4; p.787-799, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2015000400787&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 12 mai. 2017.

LAYES, A.; ASADA, Y.; KEPHART, G. Whiners and deniers – What does self-rated health measure? Soc Sci Med v. 75, n. 1, p. 1–9, 2012. Disponível em: . Acesso em 14 mai. 2017.

Prosper MH, Moczulski VL, Qureshi A. Obesity as a predictor of self-rated health. Am J Health Behav v.33, p. 319-329, 2009. Disponível em: . Acesso em 07 mai. 2017.

WENNBERG, P.; et al. Self-rated health and type 2 diabetes risk in the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition-InterAct study: a case-cohort study. BMJ Open v. 3, n. e002436, p. 1-8, 2013. Disponível em: < http://bmjopen.bmj.com/content/3/3/e002436>.

SCHNITTKER, J. When Mental Health Becomes Health: Age and the Shifting Meaning of Self-Evaluations of General Health. Milbank Q v. 83, n. 3, p. 397-423, 2005. Disponível em: . Acesso em 19 mai. 2017.

BARROS, M. B. A.; et al. Auto-avaliação da saúde e fatores associados, Brasil, 2006. Rev Saude Publica v. 43, s. 2, p.27-37, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000900005>. Acesso em 20 mai. 2017.

MANTOVANI, E. P.; LUCCA, S. R.; NERI, A.L. Autoavaliação negativa de saúde em idosos de cidades com diferentes níveis de bem-estar econômico: dados do Estudo FIBRA. Cien. Saude Colet v. 20, n. 12, p. 3653-3668, 2015. Disponível em: . Acesso em 22 mai. 2017.

LIMA-COSTA, M. F.; FIRMO, J. O. A.; UCHOA, E. The structure of self-rated health among older adults: the Bambuí health and ageing study (BHAS). Rev Saude Publica v. 38, n. 6, p. 827-834, 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/ scielo. php?script =sci_arttext&pid=S0034-89102004000600011>. Acesso: 19 mai. 2017.

Apontamentos