Níveis de flexibilidade e força muscular em mulheres praticantes e não praticantes de hidroginástica

Priscylla Teixeira Lima

Resumo

Resumo: Objetivo: avaliar os níveis de flexibilidade e força muscular em mulheres praticantes e não praticantes de hidroginástica da cidade de Guanambi/BA. Metodologia: trata-se de pesquisa de campo de caráter quantitativo, descritivo e explicativo, composta por uma amostra de quarenta mulheres, sendo vinte mulheres praticantes e vinte mulheres não praticantes de hidroginástica, com a faixa etária dos 50 aos 77 anos de idades. A coleta dos dados foi através de três testes: “teste de sentar e alcançar”, “teste de força de preensão manual” e “teste de levantar da cadeira em 30 segundos”. Os dados foram tabulados e organizados no Programa da Microsoft Excel versão 2013. Em seguida, os resultados foram transpostos para a planilha do programa Graph Pad Prism 6, para comparar à média e o desvio padrão das variáveis (idades e os testes), utilizando o teste “t”. Para análise estatística dos dados usou o programa Graph Pad Prism 6, que se atribui como nível de significância valor de p<0,05. Resultados: constatou-se que no “teste de sentar e alcançar”, as praticantes de hidroginástica encontram-se na faixa recomendável e na baixa aptidão. Já no “teste de preensão manual direita e esquerda” foram classificadas como regular e fraca, e no “teste de levantar da cadeira em 30 segundos” encontram-se no valor de repetições recomendável. Conclusão: sugere-se a realização de futuros estudos com vistas à contribuição ao tema proposto, abordando a avaliação de outras variáveis e dispondo de um número maior de indivíduos e de ambos os sexos, possibilitando dessa forma, uma análise mais ampla da população.

                                                               

Palavras-chave

Envelhecimento; Mulheres; Exercício físico.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

MAZO, G. Z. ; LOPES, M. A.; BENEDETTI, T. B. Atividade física e o idoso: concepção gerontológica. 3ª ed. rev. e ampl. - Porto Alegre (RS): Sulina, 2009.

DEBERT, G. G. A Reinvenção da Velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo (SP): Fapesp, 1999.

SCARABEL, F. B. Os Benefícios da Hidroginástica na Terceira Idade. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em Educação Física) – Departamento de Educação Física, Núcleo de Saúde (NUSAU), Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Rondônia, 2013. Disponível em: http://www.def.unir.br/downloads/1920_parte_1_fernanda_b._scarabel.pdf Acesso no dia 04/11/2014 às 10h45min.

VASCONCELOS, A. C.; RODRIGUES, A. M. S. A importância da hidroginástica na melhoria da flexibilidade de idosos. ANAIS do II Encontro de Educação Física e Áreas Afins. ISSN 1983-8999. Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação Física (NEPEF) / Departamento de Educação Física / UFPI 26 e 27 de Outubro de 2007. Disponível em: www.google.com.br Acesso no dia 09/12/2014 às 04h48min.

CASTARANELI, M. V.; MARINO, P. A.; LIMA, T. R. S. O Efeito da hidroginástica na força de preensão manual em mulheres acima de 50 anos. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Educação Física, 2008. Disponível em: http://www.unisalesiano.edu.br/biblioteca/monografias/46261.pdf Acesso no dia 09/12/2014 às 12h47min.

ALVES, J. G.B.; SIQUEIRA, F. V.; FIGUEIRO, A. J. N.; FACCHINI, L. A.; SILVEIRA, D. S.; PICCINI, R. X. et al. Prevalência de adultos e idosos insuficientemente ativos moradores em áreas de unidades básicas de saúde com e sem Programa Saúde da Família em Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n3/12.pdf Acesso no dia 15/12/2014 às 14h49min.

MATSUDO, S. M. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. XI Congresso Ciências do Desporto e Educação Física. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, p.135-37, set. 2006. Disponível em: http://www.ceap.br/artigos/ART20092011233110.pdf Acesso no dia 18/12/2014 às 09h17min.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo (SP): Atlas, 2003.

THOMAS, J. R.; NELSON, J.K. Métodos de pesquisa em atividade física. 3ª. ed. Porto Alegre (RS): Artmed, 2007.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. – 6ª ed. Londrina (PR): Midiograf, 2013.

FILHO, F. J. A prática da avaliação física: testes, medidas e avaliação física em escolares, atletas e academias de ginástica. 2ª ed. Rio de Janeiro (RS): Shape, 2003.

MATSUDO, S. M. M. Avaliação do idoso Física e Funcional. 3ª ed. – Santo André: Gráfica Mali, 2010.

MOURA, C. Avaliação da Flexibilidade de idosas praticantes e não praticantes de hidroginástica. Monografia de conclusão do curso Licenciatura Plena em Educação Física pela Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2008. Disponível em: http://www.def.unir.br/downloads/1227_avaliacao_da_flexibilidade_de_idosos_praticantes_e_nao_praticantes Acesso no dia 15/12/2014 às 13h9min.

MARCIANO, G. G.; VASCONCELOS, A. P. S. L. Os benefícios da hidroginástica na vida diária do idoso. Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery. 2008. Disponível em: http://re.granbery.edu.br/artigos/MTI5.pdf

BONACHELA, V. Hidro localizada. Rio de Janeiro (RJ): Sprint, 2004.

SIMAS, A. R.; MAZO, G. Z.; CARDOSO, A.S.; LUFT, C. B. Comportamento da força de membros superiores de idosas praticantes de hidroginástica. Artigo de conclusão de curso de licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC; Centro de Ciências da Saúde e do Esporte – CEFID. 2007. Disponível em: http://www.cefid.udesc.br/arquivos/id_submenu/792/alanna_roslindo_de_simas.pdf

PITANGA, F. J. G. Testes, medidas e avaliação em Educação Física e Esportes. 3ª ed. São Paulo (SP): Phorte, 2004.

SILVA, F. V. Comparação dos índices de aptidão física e saúde de mulheres de meia idade e idosas com os padrões de referência do ACSM e da OMS. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Ciências da Saúde, Pós – Graduação em Educação Física, Universidade Metodista de Piracicaba, 2008. Disponível em: https://www.unimep.br/phpg/bibdig/pdfs/2006/UJVHPOGKFVTA.pdf Acesso no dia 07/12/2014 às 15h27min.

ARAÚJO, R. C. M.; BARBOSA, M. T. S. Análise comparativa da força muscular de mulheres idosas praticantes de ginástica e hidroginástica. MOVIMENTUM - Revista Digital de Educação Física - Ipatinga: Unileste-MG - V.2 - N.1 - Fev./jul. 2007. Disponível em:http://www.unilestemg.br/movimentum/Artigos_V2N1_em_pdf/movimentum_v2_n1_araujo_rita.pdf Acesso no dia 11/12/2014 às 08h48min.

MIRANDA, J. E. Efeitos da hidroginástica sobre o aumento da força de membros inferiores em idosas. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.8, n.48, p.628-634. Jul/Ago. 2014. ISSN 1981-9900. Disponível em: file:///C:/Users/USERS/Downloads/669-2984-1-PB.pdf Acesso no dia 18/12/2014 às 14h40min.

MARINELLI, Y. Efeitos do treinamento da hidroginástica na força de membros inferiores de mulheres idosas. Trabalho de Conclusão do Curso (monografia) apresentado a Universidade Estadual de Maringá. 2010. Disponível em: www.def.uem.br/geraMonografia.php?id=278 Acesso no dia 14/12/2014 às 19h47min.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.