Análise espacial dos casos de hanseníase no semiárido brasileiro (2010/2014)

Tarcísio Viana Cardoso, Carlos Magno Santos Clemente

Resumo

Resumo: Objetivo: Objetivou-se com a presente pesquisa, realizar a análise espacial dos casos de hanseníase em 1.117 municípios do Semiárido Brasileiro nos anos de 2010 e 2014. Também, avaliar a prevalência dos casos de hanseníase no ano de 2010. Metodologia: A seleção dos 1.117 municípios do semiárido brasileiro seguiram critérios metodológicos e adequações aos aspectos jurídicos. Os dados foram adquiridos através do Sistema de Informações de Agravos de Notificação – SINAN (2010 e 2014). Para as análises espaciais, foi utilizada a técnica Sistema de Informação Geográfica - SIG. Resultados: Os resultados indicaram acréscimo de casos notificados de hanseníase nos municípios de Bom Jesus da Lapa (BA), Araci (BA) e Araripina (PE) (2010 a 2014). As municipalidades de São João do Piauí (PI) (22,00 casos de hanseníase por 10.000 habitantes), Santa Maria do Salto (MG) (20,82 casos de hanseníase por 10.000 habitantes) e Cariré (CE) (20,71 casos de hanseníase por 10.000 habitantes), enquadraram na característica hiperendêmico. Também, 19 municipalidades apresentaram coeficientes de 1,00 a 1,09, próximo da meta que foi preconizada para o ano de 2010. Conclusão: O presente estudo chama atenção para subnotificações. Conclui-se que apesar dos esforços jurídicos e metodológicos, ações mais enérgicas devem ser tomadas para erradicação da hanseníase no semiárido brasileiro.

Palavras-chave

SIG; Agravos; Notificação; Prevalência; Municípios

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

SANTOS, L.A.C. FARIA, L., MENEZES, R.F. Contrapontos da história da hanseníase no Brasil: cenários de estigma e confinamento. Revista brasileira Estudos da População. São Paulo, 25 (1). 167-190. 2008.

SANTOS, A.S., CASTRO, D.S., FALQUETO, A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília. 61(esp.): 738-43. 2008.

BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília (BR): Ministério da Saúde, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Weekly epidemio¬logical record. Leprosy update 86º year.86ª ed. Geneva: WHO; 2011. p. 389-400.

ARAÚJO, M.G. Hanseníase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.36(3):373-382.2003.

BASTOS, F.H., CORDEIRO, A.M.N. Fatores naturais na evolução das paisagens no semiárido brasileiro: uma abordagem geral. Revista Geonorte. 2 (esp).464 – 476. 2012.

SILVA, R.M.A. Entre dois paradigmas: combate à seca e convivência com o semi-árido. Sociedade e Estado. Brasília. 18 (1/2). 339-360. 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase. 2011. Disponível em < http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/svs/hanseniase>. (Acessado em 01 de Mai.2015).

BURROUGH, P.A. Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessment. Clarendon Press. Oxford.1987. 193p.

ROSA, R. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de Geografia. v.16. 81-90.2005.

DUCATTI, I. A hanseníase no Brasil na Era Vargas e a profilaxia do isolamento compulsório: estudos sobre o discurso científico legitimador. Dissertação. São Paulo: Departamento de História, Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, 2009. 199p.

MEDEIROS, S.S., CAVALCANTE, A.M.B., MARIN, Aldrin Martin Perez., TINÔCO, L.B.M., SALCEDO, I.H., PINTO, T.F. Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro. Campina Grande: Instituto Nacional Semiárido - INSA, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo da população do Brasil (2010). 2010. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home>. (Acessado em 03 de Abr. 2015).

BRASIL. Portaria nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro. 2010.

BRASIL. Portaria GM nº. 31 de 8 de julho de 2005. Estabelece indicador epidemiológico para avaliação da prevalência da hanseníase. Diário Oficial da União. 2005.

PINHEIRO, R. S; ANDRADE, V. L; OLIVEIRA, G. P; Subnotifi cação da tuberculose no Sistema de Informação de Agravos de Notifi cação (SINAN): abandono primário de bacilíferos e captação de casos em outras fontes de informação usando linkage probabilístico. Caderno Saúde Pública. Rio de Janeiro, 28(8):1559-1568. 2012

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Leprosy global situation. Wkly Epidemiol. 34 (1). 289-96. 2005.

SOBRINHO, R.A.S., MATHIAS, T.A. F. Perspectivas de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública no Estado do Paraná, Brasil. Caderno Saúde Pública. Rio de Janeiro. 24(2). 303-314. 2008.

ROCHA, M.C.N; LIMA, R.B; STEVENS, A; GUTIERREZ, M.M.U; GARCIA, L.P; Óbitos registrados com causa básica hanseníase no Brasil: uso do relacionamento de bases de dados para melhoria da informação. Ciência & Saúde Coletiva. 20(4):1017-1026, 2015.

CLARO, L.B.L. Hanseníase: Representações sobre a Doença. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 11 (4): 631-638.1995.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD, 2010. Índice de Desenvolvimento Humano – IDH (2010). 2010. Disponível em: < http://www.pnud.org.br/>. Acessado em 04 de Abr. 2015.

OLIVEIRA, M. T. C.. BARREIRA, D; SANTOS, L.C.O; LATORRE., M.R.D.O. A subnotificação de casos de AIDS em municípios brasileiros selecionados: uma aplicação da técnica de captura-recaptura . Boletim Epidemiológico AIDS. Brasília, v. 1, p. 5-9, 2004.

FACANHA, M.C; PINHEIRO, A.C; LIMA, J.R.C; FERREIRA, M.L.L.T; TEIXEIRA, G.F.D; ROUQUAYROL,M.Z; Hanseniase: subnotificacao de casos em Fortaleza – Ceara, Brasil. Anais 68°Sociedade Brasileiro de Dermatologia (SBD). 329-33.2006.

BRASIL. Pacto pela Vida 2006. Disponível em: http://www.abennacional.org.br/download/pacto_pela_saude_2006.pdf. (Acessado em: 24 de Jun 2015).

ROCHA, M.C.N; LIMA, R.B; 2 STEVENS, A; GUTIERREZ, M.M. U; GARCIA, L.P. Óbitos registrados com causa básica hanseníase no Brasil: uso do relacionamento de bases de dados para melhoria da informação. Ciência & Saúde Coletiva. 20, 4, 1017-1026, 2015.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.