Níveis urinários de catecolaminas e cortisol em crianças bruxômanas e não bruxômanas

Élida Lúcia Assuncao, Danielle Rodrigues Mesquita, Glauce Ferreira Soares, Fabricio Reskalla Amaral, Paulo Isaias seraidarian

Resumo

 

Resumo: O bruxismo é um distúrbio de movimento que pode ocorrer durante o sono ou em vigília, de forma consciente ou inconsciente, caracterizada por movimentos repetitivos coordenados e pelo contato não funcional dente com dente. Embora o bruxismo seja um fenômeno de literatura controversa e divergente, existe consenso sobre sua etiologia multifatorial. Este estudo piloto é voltado para o papel dos neurotransmissores na gênese desta atividade. Objetivo: Quantificar catecolaminas na urina de crianças na faixa etária entre 6 a 8 anos, ambos os sexos, escolhidas de forma conveniente por um único avaliador. Além disso, também foi mensurado o cortisol urinário, com objetivo de verificar a existência ou não de relação com bruxismo. Desta forma, foi objetivo deste estudo, quantificar adrenalina, noradrenalina, dopamina e cortisol em crianças bruxômanas e não bruxômanas. Metodologia: Foram coletadas amostras de urina de trinta e três crianças bruxômanas (grupo1) e trinta não bruxômanas (grupo 2 ) e analisadas sob cromatografia de alto desempenho. Resultados: Foi possível observar relação estatisticamente significativa nos níveis de adrenalina, noradrenalina e cortisol, maiores no grupo de não bruxômanos e que em relação à dopamina a diferença entre os dois grupos não foi significativa, porém em nenhum caso os níveis ultrapassaram valores normais. Conclusão: O observado na literatura pertinente em adultos é o aumento nos níveis urinários no grupo com bruxismo  sendo necessário mais estudos sobre o assunto, assim como cálculo amostral significativo para dar prosseguimento ao estudo.

Palavras-chave

Bruxismo. Catecolaminas. Cortisol.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

REFERÊNCIAS

LAVIGNE, G.J. et al. Neurobiological mechanisms involved in sleep bruxism. Critical Reviews in Oral Biology & Medicine, Boca Raton, v.14, n.1, p. 30-46, 2003.

LAVIGNE, G.J. et al. Rhythmic masticatory muscle activity during sleep in humans. J Dent Res, v.80, p.443-8, 2001.

OHAYON, M.M, LI, K.K, GUILLEMINAULT, C. Risk factors for sleep bruxism in the general population. Chest, v.119, p.53-61, 2001.

SIMÕES-ZENARI, M.; BITAR,M.L. Fatores associados ao bruxismo em crianças de 4 a 6 anos. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, v.22, n.4, p.465-72, out-dez, 2010.

HERRERA, M. et al. Bruxism in children: effecton sleep architecture and daytime cognitive performance and behavior. Sleep, v.29, n.9, p. 1143-1148, 2006.

CASTELO, P. M.; BARBOSA, T. S.; GAVIÃO, M. B. Quality of life evaluation of children with sleep bruxism. 2010. Disponível em: . pdf . Acesso em 02/04/2016

JUNQUEIRA, T. H. Association of infantile bruxism and the terminal relationships of the primarysecond molars. Brazilian Oral Research , v. 27, n. 1, p. 42-7, 2013.

GONÇALVES, L.P.; TOLEDO, O.A.; OTERO, S.A.M. Relaçao entre bruxismo, fatores oclusais e hábitos bucais. Dental Press Journal of Orthodontics, v.15, n.2, p.97-104, mar-abr, 2010.

WINOCUR, E. et al. Drugs and bruxism: a critical review. J Orofac Pain, v.17, n.2, p. 99-111, 2003.

OKSENEBERG, A.; ARONS, E. Sleep bruxism related to obstructive sleep apnea: the effect of continuous positive airway pressure. Sleep Med, v. 3, n. 6, p.513-15, nov., 2002.

OKESON, J.P.; PHILLIPS, B.A.; BERRY, D.T. Noctumal bruxing events: a report of normative data and cardiovascular response. J Oral Rehabil, v. 21, n. 6, p.623-30, 1994.

VANDERAS, A.P.; MANETAS, K.J. Relationship between malocclusion and bruxism in children and adolescents: a review. Pediatric Dentistry, Chicago, v.17, n.1, p. 7-12, jan-fev, 1995.

ATTANASIO, R. An overview of bruxism and its management. Dent Clin North Am, Orlando, v.41, n.2, p. 229-41, abr., 1997.

NISHIGAWA, E.; BANDO, M.N. Quantitative study of bite force during sleep

associated bruxism. J Oral Rehab, v.28, n.5, p.485-91, mai., 2001.

LOBBEZOO, F. et al. The effect of catecholamine precursor L-Dopa on sleep bruxism: a controlled clinical trial. Mov Disord, v.12, p.73-8, 1997.

SJÖHOLM T, LEHTINEN I, PIHA SJ. The effect of propanolol on sleep bruxism hypothetical considerations based on a case study. Clin Auton Res , v. 6, p. 37–40, 1996.

LOBBEZOO, F. et al. Effects of the D2 receptor agonist bromocriptine on sleepbruxism: report of two single patient trials. J Dent Res, v.76, p.1610-14, 1997.

CHEN, W.H. et al. A proposed mechanism fordiurnal/nocturnal bruxism: hypersensitiviy of presynaptic dopamine receptors in the frontal lobe. J Clin Neurosci ,v.12, p.161-3, 2005.

MAGEE, K.R . Bruxism related to levodopa therapy. J Am Med Assoc 1970. p. 214-147.

CLARCK, G.T.; RUGH, J.D.; HANDELMAN, S.L. Nocturnal masseter muscle activity and urinary catecholamine levels in bruxers. J Dent Res, Chicago , v.59, n.10, p.1571-6, out.,1980.

ARESO, M.P. et al. Occlusal disharmonies modulate central catecholaminergic activity in the rat. Journal of Dental Research, Chicago, v.78, n.6, p. 1204-1213, Jun. 1999.

WETTER, T.C. et al. A randomized controlled study of pergolide in patients with restless legs syndrome. Neurology, v. 52, p.944-50, 1999.

AMERICAN ACADEMY OF SLEEP MEDICINE. International classification of sleep disorders, revised: diagnostic and coding manual. Illinois: American Academy of Sleep Medicine, 2005.

SERAIDARIAN, P. et al. Urinary levels of catecholamines among individuals with and without sleep bruxism. Sleep and Breathing, v. 13, n.1, p. 85-8, fev.,2009.

CHRISTENSEN, G.J. Treating bruxism and clenching. J Am Dent Assoc, v.131, n. 50, p. 233-5, mar., 2000.

RUTH, H.; GRAHAM, R.; CRISPAM, S. Dental damage sequela and prevention. BMJ, v. 320, n. 174, p.1717-19, abr., 2001.

CHEIFETZ, A.T. et al. Prevalence of bruxism and associated correlates in children as reported by parents. J Dent Child, v. 72, n. 2, p.67-73, mai., 2005.

ANTONIO, A.G.; PIERRO, V.S.; MAIA, L.C. Bruxism in children: a warning sign for psychological problems. J Can Dent Assoc, v. 72, n.2, p.155-60, 2006.

POLTAVISKI, D.; FERRARO, F. R. Stress and illness in American and Russian college students. Personal indiv differenc, v. 34, p.971-82, 2003.

SERRA-NEGRA, J.M. et al. Environmental factors, sleep duration, and sleep bruxism in Brazilian schoolchildren: a case-control study. Sleep Med, 2013.

STRYER, L. Bioquímica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1998. 881p.

ALENCAR, M.J.S; MARTINS, B.M.C; VIEIRA, B.N. A relação do bruxismo com a dopamina. Revista Brasileira de Odontologia, Rio de Janeiro, v.71, n.1, p.62-6, jan./jun. 2014.

BUENO, J.R.; GOUVÊA, C.M.C.P. Cortisol e exercício: efeitos, secreção e metabolismo. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, v.10, n.3, jul./set. Disponivel:

Apontamentos

  • Não há apontamentos.