Hepatites virais: epidemiologia dos casos notificados no estado de Minas Gerais entre 2005 e 2014

Víctor Mendes Ferreira, Eduardo Gonçalves, Larissa Maria Oliveira Gonzaga

Resumo

Objetivo: Investigar o perfil epidemiológico das hepatites virais no estado de Minas Gerais durante o período compreendido entre 2005 e 2014. Metodologia: Trata-se de estudo observacional, longitudinal, retrospectivo e quantitativo, cujo universo amostral era composto por todos os casos notificados em Minas Gerais entre janeiro de 2005 e dezembro de 2014, a partir dos dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. O critério de seleção foi o ano do início dos sintomas, analisado juntamente com faixa etária, escolaridade e etiologia. Resultados: No período estudado, 23.821 casos de hepatites virais foram notificados e houve redução importante, de 3.724 casos por ano (2005) para 1.666 (2014). No início, a hepatite A era a principal etiologia, seguida pelas hepatites B e C. Já em 2014, a infecção pelo vírus C foi mais frequente, seguida pelos vírus B e A. A ocorrência foi mais frequente na faixa etária de 20 a 59 anos e entre indivíduos com baixo nível de escolaridade. Conclusões: As políticas públicas de prevenção tem mudado o cenário epidemiológico das hepatites em Minas Gerais, com redução importante na incidência. Porém, ainda é necessário ampliar as medidas direcionadas às populações de risco, com enfoque ao comportamento de risco para as hepatites B e C.

Palavras-chave

Hepatite Viral Humana; Vigilância Epidemiológica; Sistemas de Informação em Saúde; Prevenção Primária; Saúde Pública

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

REFERÊNCIAS

FONSECA, J. C. F. Histórico das hepatites virais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 43, n. 1, p. 322-330, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822010000300022. Acesso em: 05 Dez. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para hepatite viral C e coinfecções. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 85 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/publicacao/2015/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-hepatite-c-e-coinfeccoes. Acesso em: 05 Dez. 2015.

GOMES, A. P. et al. Hepatites virais: abordagem clínica com ênfase nos vírus A e E. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 139-146, 2012. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/lil-621474. Acesso em: 05 Dez. 2015.

GOLDMAN, L; SCHAFER, A. I. Goldman Cecil Medicina. 24. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

WEDEMEYER, H; MANNS, M. P. Epidemiology, pathogenesis and management of hepatitis D: update and challenges ahead. Nature Reviews Gastroenterology and Hepatology, London, v. 12, n. 4, p. 31-40, 2015. Disponível em: http://www.nature.com/nrgastro/journal/v7/n1/abs/nrgastro.2009.205.html. Acesso em: 05 Dez. 2015.

SILVA, A. L. et al. Hepatites virais: B, C e D: atualização. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 206-218, 2012. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/lil-621489. Acesso em: 05 Dez. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. 1. ed. (atualizada). Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 773 p. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/6385405/4170293/GUIADEVS2016.pdf. Acesso em: 23 Nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Hepatites virais: o Brasil está atento. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 60 p. Disponível em: http://saudepublica.bvs.br/pesquisa/resource/pt/far-39. Acesso em: 05 Dez. 2015.

MARTINS, A. M. E. B. L. et al. Fatores associados à imunização contra Hepatite B entre trabalhadores da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 68, n. 1, p. 84-92, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672015000100084&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 23 Nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe técnico da introdução da vacina adsorvida hepatite A (inativada). Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 11 p. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/junho/26/Informe-t--cnico-vacina-hepatite-A-junho-2014.pdf. Acesso em: 05 Dez. 2015.

VIEIRA, M. R. M. et al. Aspectos epidemiológicos das hepatites virais no norte de Minas Gerais. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 34, n. 2, p. 348-358, 2010. Disponível em: http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/40. Acesso em: 05 Dez. 2015.

NUNES, H. M. et al. Soroprevalência da infecção pelos vírus das hepatites A, B, C, D e E em município da região oeste do Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, Ananindeua, v. 7, n. 1, p. 55-62, 2016. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232016000100007. Acesso em: 23 Nov. 2016.

CRUZ, C. R. B.; SHIRASSU, M. M.; MARTINS, W. P. Comparação do perfil epidemiológico das hepatites B e C em um serviço público de São Paulo. Arquivos de Gastroenterologia, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 225-229, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-28032009000300016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 05 Dez. 2015.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.