Leishmaniose visceral no Brasil: artigo de revisão

Paulo Fernando Aguiar, Raíssa Katherine Rodrigues

Resumo

Resumo: A leishmaniose visceral é uma zoonose endêmica em algumas regiões brasileiras que readquiriu importância médica devido a fatores como: surgimento da epidemia da síndrome de imunodeficiência adquirida, urbanização dos vetores devido a ocupação desordenada dos espaços urbanos e desmatamento em áreas rurais. Objetivou-se com este trabalho,  realizar uma revisão de literatura acerca da leishmaniose visceral, com enfoque em aspectos clínicos, métodos diagnósticos e abordagem terapêutica. A pesquisa bibliográfica foi desenvolvida a partir da análise de artigos científicos obtidos nas bases de dados PUBMED, Scientific Eletronic Library Online (SciELO), livros-texto da área e documentos elaborados pelo Ministério da Saúde do Brasil. O diagnóstico diferencial é amplo e a apresentação clínica variável, o que exige o desenvolvimento de métodos diagnósticos acurados, de baixo custo e de simples execução para melhor manejo da doença. A escolha da medicação para o tratamento baseia-se na presença de comorbidades, gravidade clínica e no perfil de efeitos colaterais. Publicações recentes do Ministério da Saúde do Brasil expandiram as indicações para tratamento desta condição com formulação lipídica da anfotericina B, a anfotericina B lipossomal, visando redução de morbimortalidade e efeitos colaterais. Dada sua relevância e taxa de mortalidade constante, concluímos que  uma abordagem diagnóstica efetiva e os tratamentos específico e suportivo adequados devem ser oferecidos aos pacientes com leishmaniose visceral.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

REFERÊNCIAS

DUARTE,M.I.S.; BADARÓ, R.S. Leishmaniose visceral (calazar). In: VERONESI, R.; FOCACCIA, R. Tratado de infectologia. 4.ed. São Paulo: Atheneu, 2009. p. 1707-36.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Leishmaniose visceral grave: normas e condutas, Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.60 p.

FAUCHER, B.; PIARROUX, R. Actualités sur les leishmanioses viscérales. La Revue de Médecine Interne, v. 32, n. 9, p.544-551, 2011.

DESJEUX, P. Leishmaniasis: public health aspects and control. Clinical Dermatology, v. 14, n. 5, p.417–23, 1996.

DESJEUX, P. Leishmaniasis: current situation and new perspectives. Comparative Immunology, Microbiol. Infect. Dis., v.27, p. 305-318,2004.

EVANS, T.G. et al. Epidemiology of visceral Leishmaniasis in Northeast Brazilian.J. Inf. Dis., v. 166, p. 1124-1132, 1992.

ALVAR, J. et al. Leishmania and human immunodeficiency virus coinfection: the first 10 years. Clin. Microbiol. Rev., v.10, n.2, p.298-319, 1997.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD.Leishmaniasis: Informe Epidemiológico en las Américas,Washington: Organización Panamericana de la Salud, 2016. p.1-7.

BASANO, S.A.; CAMARGO, L.M.A. Leishmaniose tegumentar americana: histórico, epidemiologia e perspectivas de controle. Revista Brasileira de Epidemiologia,São Paulo, v. 7, n. 3, p. 328-337, 2004.

FRASER, C.M. Manual Merck de Veterinária: um manual de diagnóstico, tratamento,prevenção e controle de doenças para veterinária. 9. ed., São Paulo: Roca, 2008. p. 543-544.

ALMEIDA, M.A.O.et al. Clinical and serological aspects of visceral leishmaniasis in Northeast Brazilian dogs naturally infected with Leishmaniachagasi. Veterinary Parasitology,v. 127, p. 227–232, 2005.

SHAW, J.J. Taxonomy of the genus Leishmania: present and future trends and their implications. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v.89, n.3, p.471-478, 1994.

CAMARGO, L. M.; BARCINSKI, M. A. Leishmanioses, feridas bravas e kalazar. Ciência Cultura, São Paulo, v. 55, n. 1, p. 34-37, 2003.

PRADO, P.F.et al.Epidemiological aspects of human and canine visceral leishmaniasis in Montes Claros, State of Minas Gerais, Brazil, between 2007 and 2009.Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.44, n.5, p.561-566, 2011.

GONTIJO, C. M. F.; MELO, M. N. Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia,São Paulo, v. 7, n. 3, p.338-349, 2004.

DIAS, F. O. P. et al. Fonte alimentar sanguínea e a peridomiciliação de Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) (Psychodidae, Phlebotominae). Cadernos de Saúde Pública, v.19, n.5, p.1373-1380, 2003.

REY, L. O complexo “Leishmania donovani” e a Leishamaníase Visceral. In.: Parasitologia. Parasitos e Doenças Parasitárias do homem nas Américas e na África. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

SILVA, D.G. Padronização do cultivo de amastigotas axênicos e intracelulares de Leishmania spp. e análise da atividade leishmanicida de chalconas.2008.120 f. Dissertação(Mestrado em Biotecnologia) - Universidade de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2008.

LIEW, F.Y. et al. Macrophage killing of Leishmania parasites in vivo is mediated by nitric oxide from L-arginine. Journal of Immunology, v. 144, p. 4794, 1990.

CORBETT, C. E. P. et al. Regression of difuseintralobular liver fibrosis associated with visceral leishmaniasis. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v.49, p.616-624, 1993.

LAURENTI, M. D. Patologia e patogenia das Leishmanioses. 2010. 84 f. Tese (Livre-Docência)- Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, USP, São Paulo, 2010.

BADARO, R. et al.A prospective study of visceral Leishmaniasis in an endemic area of Brazil.J. Inf. Dis., v. 154, p. 639-649, 1986.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE . Leishmaniose no Brasil: diagnóstico e tratamento. Disponível em http://www.aulas.cvspbrasil.fiocruz.br.Acesso em: 31 de maio. 2015 .

LINDOSO, J. A. L.; GOTO, H.Leishmaniose visceral. In: LOPES, A.C. Tratado de clínica médica. São Paulo: Roca, 2006. p. 4121-26.

SILVA, M. R. B. et al. Sensitivity of bone marrow aspirates in the diagnosis of visceral leishmaniasis. Am J Trop Med Hyg.,v. 72, n. 6, p. 811-4, 2005.

DHINGRA, K. K. et al. Morphological findings in bone marrow biopsy and aspirates smears of visceral Kala Azar: a review. Indian J PatholMicrobiol., v. 53, n. 1, p. 96-100, 2010.

BOELAERT, M.et al. Rapid tests for the diagnosis of visceral leishmaniasis in patients with suspected disease. Cochrane database of systematic reviews,n. 6, p. 1-121, 2014.

CECHINEL, M. P. et al. Ofício circular No.: 32. Registro No.: 25000.Orientações quanto à utilização do teste imunocromatográfico humano para diagnóstico de leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica.Leishmaniose visceral: recomendações clínicas para redução da letalidade, Brasília: Ministério da Saúde, 2011.78 p.

MARINS, J. R. P. Nota técnica número 52/2011 CGDT/DEVIT/SVS/MS.Orientações sobre a utilização da anfotericina B para o tratamento de pacientes com as leishmanioses. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis, 2011.2p.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Leishmaniasis em lás Américas: recomendaciones para el tratamiento. Washington (DC): OPS, 2013. 60 p.

PHILLIPS, M. A.; JÚNIOR, S. L.S. Quimioterapia das infecções por protozoários: amebíase, giardíase, tricomoníase, leishmaniose e infecções por outros protozoários. In: HARDMAN, J. G.; LIMBIRD, L. E.As bases farmacológicas da terapêutica. 12.ed. Rio de Janeiro: AMGH, 2012. p. 1419-42.

MOORE, E.M.; LOCKWOOD, D.N. Treatment of visceral leishmaniasis. J Global Infect Dis., v. 2, p. 151-8, 2010.

ANDRADE, T. M. et al. Bacterial infections in patients with visceral leishmaniasis. J Infect Dis., v. 162, p. 1354-9,1990.

BRAGA, A. S. C. et al. Factors of poor prognosis of visceral leishmaniasis among children under 12 years of age: a restrospectivemonocentric study in belohorizonte, state of minas gerais, brazil, 2001-2005. Rev Soc Bras Med Trop, v. 46, n. 1, p.55-9, 2013.

BELO, V. S. et al.Risk factors for adverse prognosis and death in american visceral leishmaniasis: a meta-analysis. PLoSNegl Trop Dis, v. 8, n. 7, p. 1-9,2014.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.