Aleitamento materno: causas e consequências do desmame precoce

Dayane Silva, Pablo Soares, Marcos Vinicius Macedo

Resumo

A Organização Mundial da Saúde recomenda amamentação exclusiva por aproximadamente 6 meses uma vez que o leite materno promove benefícios nutricionais, imunológicos e emocionais tanto para a mãe quanto para o bebê. Porém, mesmo diante de tantos benefícios é cada vez mais comum o desmame precoce. O objetivo do presente trabalho foi destacar, através de uma revisão bibliográfica, a importância da prática do aleitamento materno adequado e as causas e consequências do desmame precoce. Para tal foi realizada entre os meses de agosto de 2015 e abril de 2016 uma busca detalhada de artigos nas bases de dados BIREME, LILACS, SciELO e BVS utilizando-se como principais descritores: Aleitamento Materno, Lactação Humana, Imunidade Materna, Desmame Precoce e Nutrição Infantil. Buscou-se apresentar no presente trabalho os aspectos fisiológicos, imunológicos e patológicos conseqüentes do aleitamento materno bem como aspectos psicossociais mais comuns que levam ao desmame precoce. Como resultado do estudo observou-se que um dos principais fatores que levam a mãe abandonar precocemente o aleitamento origina-se da pouca informação que possui sobre a amamentação e as consequências refletidas na vida adulta de seu filho. Conclui-se assim a necessidade de um trabalho mais específico de conscientização por parte dos profissionais da saúde, em especial para as prímiparas.

Palavras-chave

Aleitamento Materno; Desmame Precoce; Nutrição do Lactente

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

MARINHO, M. S. et al. A atuação do(a) enfermeiro(a) na promoção, incentivo e apoio ao aleitamento materno. Revista Enfermagem Contemporânea, v.4, n. 2, p. 189-198, 2015. Disponível em: < https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/598>. Acesso em: 05 Fev. 2016.

SILVA, R. A. et al. Aleitamento materno: fatores que influenciam o desmame precoce. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v.5, n.3, p. 01-07, 2015. Disponível em < http://www.gvaa.org.br/revista/index.php/REBES/article/view/3582>.

OLIVEIRA, K.M.P.; MARQUES, I.R. Situação do aleitamento materno no Brasil: uma revisão. Revista de Enfermagem Unisa, v.12, n. 1, p. 73-78, 2011. Disponível em: < http://www.unisa.br/graduacao/biologicas/enfer/revista/arquivos/2011-1-13.pdf>. Acesso em: 23 Nov. 2015.

ACCIOLY, E. et al. Práticas de nutrição pediátrica. São Paulo: Atheneu; 2006.

SILVA, J. D. et al. Benefícios provenientes do aleitamento materno exclusivo. Revista Uningá, v.16, n.2, p.13-18, 2013. Disponível em: < http://www.mastereditora.com.br/periodico/20131102_1129002.pdf#page=13>. Acesso em: 14 Mai. 2016.

MORGANO, A. M. et al. Composição mineral do leite materno de bancos de leite. Revista Ciências Tecnológicas de Alimentos, v.25, n.4, p. 819-824, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cta/v25n4/27657.pdf>. Acesso em: 21 Fev. 2016.

WALZEM, R.L.; DILLARD, C.J.; GERMAN, J.B. Whey components: Millenia of evolution create functionalities for mammalian nutrition: what we know and what we may be overlooking. Food Scienc Nutricion, v.42, n.3, p.353-375, 2002.

SGARBIERI, V. C. Propriedades fisiológicas-funcionais das proteínas do soro de leite. Revista Nutrição, Campinas, v. 17, n. 4, p. 397-409, 2004. Disponível em: < http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/34480>. Acesso em: 24 Maio 2016.

WHO - World Health Organization and UNICEF - United Nations Children’s Fund. Global strategy for infant and young child feeding. Geneva: World Health Organization, 2008.

MELLO JÚNIOR, W.; ROMUALDO, G. S. Anatomia e Psicofisiologia da Lactação. In: CARVALHO, M. R.; TAMEZ, R. N. Amamentação – Bases Científicas. São Paulo: Guanabara-Koogan. Cap. 1, p. 3-14, 2005.

COSTA, E. C. Caracterização microbiológica físico química do leite materno em diferentes períodos da lactação. 2012. 97f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais. Disponível em: < http://locus.ufv.br/bitstream/handle/123456789/2921/texto%20completo.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 18 Nov. 2015.

REGO, J. D. Aleitamento materno. São Paulo: Atheneu, 2001.

JALDIN, M. G. M; SANTANA, R. B. Anatomia da mama e fisiologia da lactação. In: Rego, J. D. Aleitamento Materno. 2 ed. São Paulo: Atheneu. 2006, cap. 03, p. 41- 54.

NASCIMENTO, M. B. R; ISSLER, H. Breastfeeding: making the difference in the development, health and nutrition of term and preterm newborns. Revista do Hospital das Clínicas de São Paulo, v.58, n1, p 49-60, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812003000100010>. Acesso em: 10 Abr. 2016.

SOARES, R. C. S.; MACHADO, J. P. Imunidade conferida pelo leite materno. Revista Científica Univiçosa, v. 3, n. 1, p. 205-210, 2012. Disponível em: < https://academico.univicosa.com.br/revista/index.php/RevistaSimpac/article/view/219>. Acesso em: 25 Nov. 2015.

LEÃO, E.; VIANA, M. B.; MOTA, J. A. C. Pediatria Ambulatorial. 4a Ed. COOPMED, 2005.

SCHNEIDER, A.; STEIN, R.T.; FRITSCHER, C.C. O papel do aleitamento materno, da dieta e do estado nutricional no desenvolvimento de asma e atopia. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v.33, p. 454-62, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132007000400016>. Acesso em: 22 Ago. 2015.

PICCIANO, M. F. Human Milk: nutritional aspects of human milk. Pediatric Clinics of North America, v.48, n.1, p.53-67, 2001. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0031395505702856>. Acesso em: 17 Mar. 2016.

GRASSI, M. S; COSTA, M. T. Z.; VAZ, F. A. C. Fatores imunológicos do leite humano. Revista Pediatria, v. 23, n.3, p. 258-63, 2001. Disponível em: < xa.yimg.com>. Acesso em: 11 Fev. 2016.

NELSON. Tratado de Pediatria. 18ª Ed. Elsevier. 2009.

HANSON, L.A. Breast feeding provides passive and likely long-lasting active

immunity. Ann Allergy Asthma Immunol, v.81, p. 523-537, 1998. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9892025>. Acesso em 17 Mar. 2016.

NEWMAN, J. Como leite materno protege os recém-nascidos. Revista Scientific American, v.4, p. 76-79, 1995. Disponível em: < http://www.ibfan.org.br/documentos/mes/doc6_97.pdf>. Acesso em 10 Abr. 2016.

DRAGO, M.E. Actividades antibacterianas de lactoferrina. Revista Enfermedades Infecciosas y Microbiología, v.26, n.2, p. 58-63, 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 Fev. 2016.

CASTILHO, S. D.; BARROS FILHO, A. A. Alimentos utilizados ao longo da história para nutrir lactentes. Jornal de Pediatria, v. 86, n.3, p. 179-188, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572010000300004>. Acesso em: 25 Nov. 2015.

SIMON, V. G. N.; SOUZA, J. M. P.; SOUZA, S. B. Aleitamento materno, alimentação complementar, sobrepeso e obesidade em pré-escolares. Revista Saúde Pública, v. 43, n. 1, p. 60-69, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000100008>. Acesso em: 14 Out. 2015.

JOCA, M. T. et al. Fatores que contribuem para o desmame precoce. Revista de Enfermagem, v.9, n.3, p. 356-364, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452005000300004>. Acesso em: 12 Mar. 2016.

CARRASCOZA, K. C.; COSTA JÚNIOR, A. L.; MORAES, A. B. A. Fatores que influenciam o desmame precoce e a extensão do aleitamento materno. Revista Estudos de Psicologia, v.22, n.4, p. 433-440, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 Abr. 2016.

ICHISATO, S. M. T.; SHIMO, A. K. K. Revisitando o desmame precoce através de recortes da história. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.10, n.4, p. 578-585, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692002000400016&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 08 Set. 2016.

FELCAR, J. M. et al. Prevalência de respiradores bucais em crianças de idade escolar. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, n.2, p.437-444, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000200020>. Acesso em: 22 Ago. 2015.

NEIVA, F. C. B. et al. Desmame precoce: implicações para o desenvolvimento motor-oral. Jornal de Pediatria, v.79, n.1, p. 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jped/v79n1/v79n1a04>. Acesso em: 13 Fev. 2016.

SILVA, W. F.; GUEDES, Z. C. F. Tempo de aleitamento materno exclusivo em recém-nascidos prematuros e a termo. Revista CEFAC, v.15, n.1, p. 160-171, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rcefac/2012nahead/102-11.pdf>. Acesso em: 13 Out. 2015.

FALEIROS, F.T.V.; TREZZA, E.M.C.; CARANDINA, L. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Revista de Nutrição, v. 19, n. 5, p. 623-630, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732006000500010>. Acesso em: 18 Abr. 2016.

FRANÇA, G.V.A. et al. Determinantes da amamentação o primeiro ano de vida em Cuiabá, Mato Grosso. Revista de Saúde Pública, v.41, n.5, p. 711-715, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102007000500004>. Acesso em: 22 Ago. 2015.

MOURA, E. R. B. B. et al. Investigação dos fatores sociais que interferem na duração do aleitamento materno exclusivo. Revista Intertox-EcoAdvisor de Toxicologia Risco Ambiental e Sociedade, v.8, n.2, p. 94-116, 2015. Disponível em: < http://revistarevinter.com.br/index.php/toxicologia/article/view/203>. Acesso em: 03 Mai. 2016.

VIEIRA, G. O. et al. Fatores associados ao aleitamento materno e desmame em Feira de Santana, Bahia. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v.4, n.2, p. 143-150, 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v4n2/21000.pdf>. Acesso em: 30 Abr. 2016.

VITOR, R. S. et al. Aleitamento materno exclusivo: análise desta prática na região Sul do Brasil. Revista da Associação Médica do Rio Grande do Sul, v.54, n.1, p.44-48, 2010. Disponível em: < http://amrigs.org.br/revista/54-01/12-475_aleitamento_materno.pdf>. Acesso em: 18 Mar. 2016.

BECHE, N.; HALPERN, R.; STEIN, A. T. Prevalência do aleitamento materno exclusivo em um município do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista da Associação Médica do Rio Grande do Sul, v.53, n.4, p. 345-359, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 Out. 2016.

RAMOS, C. V.; ALMEIDA, J. A. G. Alegações maternas para o desmame: estudo qualitativo. Jornal de Pediatria, v.79, n.5, p. 385-390, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jped/v79n5/v79n5a04.pdf>. Acesso em: 02 Abr. 2016.

ANDRADE, M. P. et al. Desmame precoce : vivencia entre mães atendidas em unidade básica de saúde em Fortaleza-Ceará. Revista René, v. 10, n. 1, p. 104-113, 2009. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/3240/324027965012.pdf>. Acesso em 14 Fev. 2016.

GIUGLIANI, E. R. J. Amamentação Exclusiva. In: Amamentação: Base Científica. Rio de Janeiro: Guanabara. 2005.

MOREIRA, A. S. H.; MURARA, A. Z. Aleitamento materno, desmame precoce e hipogalactia: O papel do nutricionista. Revista Eletrônica da Faculdade Evangélica do Paraná, v.2, n.2, p.51-61, 2012. Disponível em: < http://www.fepar.edu.br/revistaeletronica/index.php/revfepar/article/view/47>. Acesso em: 20 Mar. 2016.

MARQUES, E. S.; COTTA, R. M. M.; PRIORE, S. E. Mitos e crenças sobre o aleitamento materno. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v.16, n.5, p. 2461-2468, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000500015>. Acesso em: 11 Mar. 2016.

MORRAS, E. M. Lactancia materna y su relación con las anomalías dentofaciales. Revisión de la literatura. Acta Odontológica Venezolana, v.41, n.2, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0001-63652003000200010>. Acesso em 03 de mar de 2016.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.