Indicadores da capacidade funcional em idosos de um centro de convivência

Bruna Prates Vieira

Resumo

Resumo: Objetivo: desse estudo foi avaliar a velocidade da caminhada e a força de preensão manual enquanto indicadores da capacidade funcional de idosos de um centro de convivência no município de Guanambi/BA. Metodologia: caracterizou-se como um estudo descritivo exploratório, com amostra selecionada por conveniência. Participaram do estudo 16 idosos de ambos os sexos, com média de idade 70,69 ± 5,88 anos, sendo 62,5% do sexo feminino. Os dados foram coletados no local onde as reuniões dos grupos aconteciam, com a aplicação da anamnese para registrar as informações sociodemográficas, indicadores de saúde e dados antropométricos. Para a verificação da capacidade funcional, foram aplicados os testes de velocidade da caminhada e força de pressão manual. Resultados: a média de força de preensão manual nas mãos direita e esquerda, em ambos os sexos, apresentaram abaixo da média de referência, enquanto que a velocidade de caminhada apresentou um resultado satisfatório. Quanto à atividade física 62,5% relataram praticar, no entanto, 61,11% encontram-se com sobrepeso. Conclusão: os testes indicadores de capacidade funcional utilizados apontaram desfechos diferentes frente ao grupo pesquisado sugerindo novas investigações com esta população.

Palavras-chave

Capacidade Funcional. Força. Idoso. Velocidade.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábuas Abreviadas de Mortalidade por Sexo e Idade - Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação – 2010. Rio de Janeiro, 2013a.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População do Brasil por Sexo e Idade: 2000-2060. Rio de Janeiro; 2013b.

REBELATTO, J. R; CALVO, J. I; OREJUELA, J. R; PORTILLO J. C. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Revista brasileira de fisioterapia 2006: 10; 127 -132.

CAMARA, F. M; GEREZ, A. G; MIRANDA, M. L DE J; VELARDI, M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta fisiátrica 2008:15; 4; 249-256.

GONÇALVES, L. H. T; SILVA, A. H da; MAZO, G. Z et al. O idoso institucionalizado: avaliação da capacidade funcional e aptidão física. Caderno de Saúde Pública 2010: 26(9);1738-1746.

FARIAS, D. L; TEIXEIRA, T. G; TIBANA, R. A, BALSAMO, S; PRESTES, J. A força de preensão manual é preditora do desempenho da força muscular de membros superiores e inferiores em mulheres sedentárias. Motricidade 2012: 8 (2);624-629.

FARIA, J de C; MACHALA, C. C; DIAS, R. C; DIAS, J. M. D. Importância do treinamento de força na reabilitação da função muscular, equilíbrio e mobilidade de idosos. Acta fisiátrica 2003: 10; 3; 133-137.

CASTRO, C. L. M de; SANTOS, J. A; LEIFELD, P. S et al. Estudo da marcha em Idosos – resultados preliminares. Acta Fisiátrica 2000: 7; 3; 103-107.

MATSUDO, S. M; MATSUDO, V. K. R; BARROS NETO, T. L de; ARAÚJO, T. L de. Evolução do perfil neuromotor e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de acordo com a idade cronológica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2003: 9; 6; Nov/Dez.

RIBEIRO, L. H. M; NERI, A. L. Exercícios físicos, força muscular e atividades de vida diária em mulheres idosas. Ciência & Saúde Coletiva 2012:17(8); 2169-2180.

GERALDES, A. A. R; OLIVEIRA, A.R. M de; ALBUQUERQUE, R. B de; CARVALHO, J.M; FARINATTI, P de T. V. A Força de Preensão Manual é boa preditora do desempenho funcional de idosos frágeis: um Estudo correlacional multiplo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2008: 14 (1); Jan/Fev.

THOMAS, J.R; NELSON, J. K; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5 ed. Tradução: Denise Regina de Sales, Márcia dos Santos Dornelles. Porto Alegre/RS: Artmed, 2007.

BOHANNON, R. W. et al. Reference values for adult grip strength measured with a Jamar dynamometer: a descriptive meta-analysis. Physiotherapy 2006: 92; 11–15.

BOHANNON, R. W; ANDREWS, A. W.; THOMAS, M. W. Walking speed: reference values and correlates for older adults. J Orthop Sports Phys Ther. v. 24, n. 2, p. 86–90, 1996.

NOVAES, C. O, et al. Perfil de saúde física e capacidade funcional em uma população de idosos residentes na comunidade. Revista HUPE, Rio de Janeiro, 2015;14(4):24-29 doi: 10.12957/rhupe.2015.20067.

LOURENÇO, T. M, et al. Capacidade funcional no idoso longevo: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) 2012 jun;33(2):176-185.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores Sociais Municipais: Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010. Estudos & Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica. Rio de Janeiro, n.28, 2011.

KAUFFMAN, T. L. Manual de Reabilitação Geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara

Koogan, 2001.

NOGUEIRA, S, et al. Fatores determinantes da capacidade funcional em idosos longevos. Rev. Bras Fisioter. 2010; 14 (4):322-9.

MAZZEO, R. S; CAVANAGH, P; EVANS, W. J. et al. Exercício e atividade física para pessoas idosas. Revista Bras. de Atividade Física & Saúde. 1998.

FIATARONE-SINGH, M. A. Body composition and weight control in older adults. In: Lamb DR, Murray R (eds). Perspectives in exercise science and sports medicine: exercise, nutrition and weight control. Carmel: Cooper; 1998a. p. 243-288. v.11.

WHO. World Health Organization. Physical Status:The use and interpretation of anthtopometry. Genebra: World Health Organization, 1995.

MATSUDO, S. M. M. Avaliação do idoso: Física e Funcional. 2. ed. Londrina/PR: Midiograf, 2004.

ELIAS, R. G. M, et al. Aptidão física funcional de idosos praticantes de hidroginástica. REV. BRAS. GERIATR. GERONTOL., RIO DE JANEIRO, 2012; 15(1):79-86

MATSUDO, S. M. M; MATSUDO, V. K. R. E; BARROS NETO, T. L. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev. Bras. Ciên. e Mov. 8 (4): 21-32, 2000.

MOURA, P. M. L. S. Estudo da força de preensão palmar em diferentes faixas etárias do desenvolvimento humano. Brasília. Tese [Mestrado em Ciências da Saúde] - Universidade de Brasília; 2008.

AIRES, M; PASKULIN, L. M. G; MORAES, E. P. Capacidade funcional de idosos mais velhos: estudo comparativo em três regiões do Rio Grande do Sul. Rev Latino- -Am. Enferm. 2010; 18 (1) 07 telas.

GERALDES, A. A. R. A, et al. Força de Preensão Manual e Boa Preditora do Desempenho Funcional de Idosos Frágeis: um Estudo Correlacional Multiplo. Rev Bras Med Esporte – Vol. 14, No 1 – Jan/Fev, 2008.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.