Perfil de dispensação de antibióticos nos ambientes ambulatorial e hospitalar em Montes Claros, MG

Víctor Mendes Ferreira, Larissa Maria Oliveira Gonzaga, Luciana de Mattos Carneiro Gonzaga, Tabata Bittencourt Batista, Eduardo Dias Moreira, Marcos Vinicius Macedo de Oliveira

Resumo

Objetivo: Avaliar o perfil de dispensação de antibióticos em rede hospitalar e ambulatorial de Montes Claros, Minas Gerais, entre 2012 e 2015, como também distinguir quais classes específicas são mais utilizadas, nesses setores de atendimento à saúde. Metodologia: Este estudo foi observacional, com caráter retrospectivo e transversal, sendo a abordagem quantitativa. A coleta de dados aconteceu em um centro de saúde ambulatorial e um hospital de Montes Claros durante o segundo semestre de 2015. Os dados foram analisados através de métodos estatísticos e interpretados por meio de uma análise entre esses dados e a literatura. Resultados: Em ambos os setores, a classe mais utilizada foi a dos beta-lactâmicos, e os aminoglicosídeos e as tetraciclinas foram as menos utilizados nos ambientes ambulatorial e hospitalar, respectivamente. Houve aumento importante na dispensação de antibióticos no NASPP. Por outro lado, no Hospital Santa Casa, houve decréscimo progressivo no uso de antibióticos. Conclusão: É necessária maior atenção às medidas de prevenção de infecções, dentro e fora dos hospitais, bem como melhor orientação a toda a população – inclusive à comunidade médica – sobre o uso e à prescrição inapropriados de antibióticos.

Palavras-chave

Antibioticoterapia; Infecção hospitalar; Infecção comunitária; Resistência bacteriana; NASPP.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

GUIMARÃES, D. O.; MOMESSO, L. S.; PUPO, M. T. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Química Nova, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 667-679, 2010. Disponível em: http://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=5068. Acesso em 05 Abr. 2015.

BRUNTON, L. L.; CHABNER, B. A.; KNOLLMANN, B. C. Goodman and Gilman’s The Pharmacological Basis of Therapeutics. 12. ed. New York: McGraw-Hill, 2011.

SANTOS, E. F.; LAURIA-PIRES, L. Padrões de utilização de antibacterianos em unidades de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 144-152, abr./jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2010000200008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 05 Abr. 2015.

FREITAS, T. C. S. B. et al. Uso de medicamentos durante a gestação e a lactação em mulheres militares na região metropolitana de Belo Horizonte e sua associação com o tempo de aleitamento materno. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, p. 158-165, 2012. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/97. Acesso em: 05 Abr. 2015.

CRUZ, M. J. B et al. Uso de medicamentos entre crianças de 0-14 anos: estudo de base populacional. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 90, n. 6, p. 608-615, nov./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572014000600608&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 05 Abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/uso_racional_medicamentos_temas_selecionados.pdf. Acesso em: 12 Abr. 2015.

KOTWANI, A. et al. Irrational use of antibiotics and role of the pharmacist: an insight from a qualitative study in New Delhi, India. Journal of Clinical Pharmacy and Therapeutics, v. 37, n. 3, p. 308-312, jun. 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The pursuit of responsible use of medicines: sharing and learning from country experiences. Geneva: WHO Press, 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/75828. Acesso em: 12 Abr. 2015.

GOLDMAN, L.; SCHAFER, A. I. Cecil Medicina. 24. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

FORTALEZA, C. M. C. B. et al. Countrywide prevalence study of healthcare-associated infections in brazilian hospitals: preliminary results. Antimicrobial Resistance and Infection Control, Londres, v. 2, n. 1, jun. 2013. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3688206/. Acesso em: 05 Abr. 2015.

STEINMAN, M. A. et al. Changing use of antibiotics in community-based outpatient practice, 1991-1999. Annals of Internal Medicine, Philadelphia, v. 138, n. 7, p. 525-533, 2003. Disponível em: http://annals.org/article.aspx?articleid=716245. Acesso em: 05 Abr. 2015.

GOOSSENS, H. et al. Outpatient antibiotic use in Europe and association with resistance: a cross-national database study. The Lancet, Washington, v. 365, n. 9459, p. 579-587, 2005. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0006/246471/Lancet-article-Antibiotic-use-in-eastern-Europe-a-cross-national.pdf?ua=1. Acesso em: 05 Abr. 2015.

RODRIGUES, F. A.; BERTOLDI, A. D.; Perfil da utilização de antimicrobianos em um hospital privado. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, suplemento 1, p. 1239-1247, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000700033. Acesso em: 03 Set. 2015.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.