Os desafios no controle das leishmanioses no contexto da cidade de Montes Claros (MG)

Clara Cynthia Melo Lima, Marcia Grisotti, Francisca Souza Santos

Resumo

A percepção social da interdependência entre humanos e animais é recente devido ao conhecimento produzido sobre os impactos de uma aproximação cada vez maior entre ambos. Nesse âmbito, as leishmanioses, endêmicas em Montes Claros, representam um conjunto de doenças com amplo espectro clínico e diversidade epidemiológica. Assim, o presente artigo objetiva analisar, por meio de uma abordagem qualitativa, o controle das leishmanioses nessa cidade, sob a perspectiva dos profissionais do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). Verificou-se que em Montes Claros, o controle dessas doenças segue o determinado pelo Ministério da Saúde. Os principais desafios apontados foram problemas de cunho operacional e problemas de ordem social.

Palavras-chave

Zoonoses; leishmaniose; relação humano-animal; Montes Claros; animais domésticos; endemias

Texto completo:

Texto completo

Referências

VASCONCELOS, S.A., Zoonoses e saúde pública: riscos causados por animais exóticos. Biológico, São Paulo, v.63, n.1/2, jan./dez., 2001, p.63-65.

PEREIRA, L. R. M., Atuação do Ministério Público direcionada ao Programa de Vigilância da Leishmaniose Visceral no contexto das ações de controle do reservatório da espécie canina. (Dissertação de Mestrado- Fundação Oswaldo Cruz). Recife, 2010.

ÁVILA-PIRES, F. D., Princípios de Ecologia Médica. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2000.

FRAGA, L. S., Controle de zoonoses: estudo sobre práticas educativas voltadas ao manejo da população canina. (Dissertação de Mestrado – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca). Rio de Janeiro, 2012.

BRASIL, Resolução-RE No- 2.519, de 1o- de junho de 2010. Publicada no Diário Oficial da União em 07 de junho de 2010.

GONÇALVES, D. D., et al. Leishmaniose Tegumentar Americana em cão errante da região noroeste do estado do Paraná- relato de caso. Arq. Ciênc. Vet. Zool. UNIPAR, v. 15, n. 1 Umuarama,jan./jun. 2012, p. 85-87.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

MARTINS, R. F., “Eutanásia humanitária” ética ou prática falaciosa visando-se ao pretenso controle da população de animais de rua e de zoonoses? Direito Animal, 2006, p. 200-205.

ÁVILA-PIRES, F. D., “Ecologia das zoonoses”. In: COURA, J.R. (Ed.) Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias. 2 vols. RJ: Guanabara Koogan, 2005. Vol 1 :53-64.

SILVA, A. F., et al. Fatores relacionados à ocorrência de leishmaniose tegumentar no Vale do Ribeira. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, jan-fev, 2010, p. 46-51.

LEITE, M. E., Geoprocessamento aplicado ao estudo do espaço urbano: o caso da cidade de Montes Claros-MG. (Dissertação de Mestrado- Universidade Federal de Uberlândia) Uberlândia, 2006.

MONTEIRO, E. M., et al. Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, mar-abr, 2005, p. 147-152.

COSTA, A. M., et al. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2013, p. 2147-2156.

PEREIRA, A. M., Cidade média e região: o significado de Montes Claros no norte de Minas Gerais. (Tese de Doutorado- Universidade Federal de Uberlândia). Uberlândia, 2007.

MISSAWA, N. A., BORBA, J. F., Leishmaniose visceral no município de Várzea Grande, Estado de Mato Grosso, no período de 1998 a 2007. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, set-out, 2009, p. 496-502.

SOUSA, R. G., et al. Casos de leishmaniose visceral registrados no município de Montes Claros, Estado de Minas Gerais. Acta Sci. Health Sci., Maringá, v. 30, n. 2, 2008, p. 155-159.

VIANA, A. G., et al. Aspectos clínico-epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana em Montes Claros, Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais, 2012.

MIRANDA, G. M. D., Leishmaniose visceral em Pernambuco: a influência da urbanização e da desigualdade social. (Dissertação de Mestrado- Fundação Oswaldo Cruz). Recife, 2008.

MELO, M. N., Leishmaniose visceral no Brasil: desafios e perspectivas. XIII Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária & I Simpósio Latino-Americano de Ricketisioses, Ouro Preto, MG, 2004.

NEVES, D. P., Parasitologia Humana. 11. ed. São Paulo: Atheneu, 2004.

ALMEIDA, A. B. P. F. et al. Inquérito soroepidemiológico de leishmaniose canina em áreas endêmicas de Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, mar-abr, 2009, p. 156-159

AMÓRA, S. S. A. et al. Fatores relacionados com a positividade de cães para leishmaniose visceral em área endêmica do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, nov-dez. 2006, p.1854-1859.

FOLHA DE SÃO PAULO. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2811201045.htm Acesso em 27 de janeiro de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS. Disponível em http://www.montesclaros.mg.gov.br/agencia_noticias/2014/ago-14/not_08_08_14_2544.php. Acesso em 27 de janeiro de 2015.

OLIVEIRA, S. S., Avaliação de estratégia otimizada para triagem e eliminação de cães no controle da leishmaniose visceral humana. (Dissertação de Mestrado- Fundação Oswaldo Cruz). Salvador, 2011.

MORAIS, M. H. F., Avaliação das atividades de controle da leishmaniose visceral na Regional Noroeste de Belo Horizonte, 2006 a 2010. (Tese de Doutorado- Universidade Federal de Minas Gerais) Belo Horizonte, 2011.

WPSA. Sociedade Mundial de Proteção Animal. Leishmaniose Visceral Canina. Um manual para o clínico veterinário. Rio de Janeiro, 2011.

NOGUEIRA, J. L., et al. A importância da leishmaniose visceral canina para a saúde pública: uma zoonose reemergente. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, jul 2009.

DOMINGOS, I. H., Teste Rápido TR DPP no contexto do diagnóstico sorológico da leishmaniose visceral canina. (Dissertação de Mestrado- Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Campo Grande, 2012.

FUNED. Fundação Ezequiel Dias. PAQ-LVC. Manual de Avaliação da Qualidade do TR DPP no campo. FUNED, 2013.

SCHUBACH, E. Y. P., Validação da técnica de imunocromatografia rápida de duplo percurso para o diagnóstico da leishmaniose visceral canina em amostras de sangue total e soro. (Dissertação de Mestrado- Universidade de Brasília). Brasília, 2011.

CFMV, Conselho Federal de Medicina Veterinária. Guia Brasileiro de Boas Práticas em Eutanásia em Animais - Conceitos e Procedimentos Recomendados. Brasília, 2012.

BORTOLOTI, R., D’AGOSTINO, R., G., Ações pelo controle reprodutivo e posse responsável de animais domésticos interpretadas à luz do conceito de metacontingência. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 2007, p.17-28.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 6 ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005.

BORGES, B. K. A., et al. Avaliação do nível de conhecimento e de atitudes preventivas da população sobre a leishmaniose visceral em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, abr, 2008, p. 777-784.

LIMA, C. R. A., et al. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, out 2009, p. 2095-2109.

Maia-Elkhoury et al. A. N. S., et al. Análise dos registros de leishmaniose visceral pelo método de captura-recaptura. Rev Saúde Pública, 2007, p. 931-937.

FRANÇA, V. H., As Leishmanioses em escolas do ensino básico de Divinópolis, MG: análise de livros didáticos de ciências e biologia e das representações sociais de professores sobre o tema. (Dissertação de Mestrado- Fundação Oswaldo Cruz) Belo Horizonte, 2011.

UCHÔA, C. M. A., et al. Educação em saúde: ensinando sobre a leishmaniose tegumentar americana. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, jul-ago, 2004, p. 935-941.

PIMENTA, D. N., et al. A estética do grotesco e a produção audiovisual para a educação em saúde: segregação ou empatia? O caso das leishmanioses no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, mai, 2007, p. 1161-1171.

PESSANHA, L. D. R., et al. Comportamento e padrões de consumo das famílias brasileiras com seus animais de estimação em debate. GT: Consumo, Sociedade e Ação Política. Anais do XIV Congresso Brasileiro de Sociologia. Rio de Janeiro, 2009.

MEDITSCH, R. G. M., O médico veterinário, as zoonoses e a saúde pública: um estudo com profissionais e clientes de clínicas de pequenos animais em Florianópolis, SC, Brasil.( Dissertação de Mestrado em Saúde Pública- Universidade Federal de Santa Catarina) Florianópolis: UFSC, 2006.

PAPA, D. N., Perfil epidemiológico da leishmaniose visceral em cães diagnosticados no laboratório da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais. (Dissertação de Mestrado- Universidade Federal de Minas Gerais) Belo Horizonte, 2010.

LIMA, A. M. A., et al. Percepção sobre o conhecimento e profilaxia das zoonoses e posse responsável em pais de alunos do pré-escolar de escolas situadas na comunidade localizada no bairro de Dois Irmãos na cidade do Recife (PE). Ciência & Saúde Coletiva, 2010, p. 1457-1464.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.