Análise da Propensão a Úlcera de Pressão em Indivíduos Hospitalizados

Thiago Allen da Silva Morais, Karine Pereira Tolentino

Resumo

Objetivos: Verificar a propensão à úlcera por pressão em indivíduos hospitalizados, e verificar se existe correlação entre o tempo de internação hospitalar com o desenvolvimento de úlceras de pressão. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional analítico transversal. Vinte e três indivíduos maiores de dezoito de anos foram submetidos a duas avaliações, no primeiro e no quarto dia de permanência hospitalar. Foi utilizada a Escala de Coma de Glasgow e, as escalas preditivas de risco de Waterlow e Braden. Procedeu-se a análise estatística através da Média Aritmética e Desvio Padrão. Resultados: A idade média dos participantes foi 56,5 anos (+/- 20,9). Dos indivíduos que completaram a pesquisa 54,54% desenvolveram ou já estavam em risco para o aparecimento de úlceras de pressão. Os demais participantes (45,45%) permaneceram fora de risco. Conclusão: Conclui-se que a idade elevada é fator secundário de risco, independente do período de internação, sendo que indivíduos com curto período de permanência já havia a predisposição a desenvolverem úlceras de pressão em ambiente hospitalar.

Palavras-chave

Úlceras de pressão. Fatores de risco. Internação hospitalar.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

LUZ, S. R. et al. Úlceras de pressão. Geriatra & Gerontologia, v.4, n. 1, p. 36-43, 2010.

DICCINI, S; CAMADURO, C; LIDA, L. I. S. Incidência de úlcera por pressão em pacientes neurocirúrgicos de hospital universitário. Acta Paulista de Enfermagem, v. 22, n. 2, p. 205-209, 2009.

FERNANDES, M. G. M. et al. Risco para úlcera por pressão em idosos hospitalizados: aplicação da escala de waterlow. Revista Enfermagem UERJ, v. 20, n. 1, p. 56-60, 2012.

CAMPOS, S. F. Fatores associados ao desenvolvimento de úlceras de pressão: o impacto da nutrição. Revista de Nutrição Campinas, v. 23, n. 7, p. 703-714, 2010.

LIMA, A. C. B; GUERRA, D. M. Avaliação do tratamento de úlceras por pressão em pacientes hospitalizados usando curativos industrializados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16 n. 1, p. 267-277, 2011.

MEDEIROS, A. B. F; LOPES, C. A. H. F; JORGE, M. S. B. Análise da prevenção e tratamento das úlceras por pressão propostos por enfermeiros. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 43, n. 1, p. 223-228, 2009.

MATHEUS, J. P. C. Avaliação da propensão à úlcera por pressão de pacientes em internação hospitalar por curto período. Terapia Manual, v. 10, n. 49, p. 253-257, 2012.

FERNANDES, L. M; CALIRI, M. H. L. Using the braden and Glasgow scales to predict pressure ulcer risk in patients hospitalized at intensive care units. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 16, n. 6, p. 973-978, 2008.

MATOS, L. S; DUARTELL, N. L. V; MINETTOLL, R. C. Incidência e prevalência de úlcera por pressão no cti de um hospital público do DF. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n. 4, p. 719-726, 2010.

PATENTE, M. E. F. et al. Úlcera por pressão em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Percurso Acadêmico, v. 1, n. 1, p. 51-60, 2011.

SAVAR, S. et al. Incidence of pressure ulcers in intensive care unit patients at risk according to the waterlow scale and factors influencing the development of pressure ulcers. Journal of Clinical Nursing, v. 18, n. 5, p. 765-774, 2009.

ALMEIDA, R. A. et al. Avaliação da utilização de protocolos na prevenção de úlceras por pressão. Revista Ciência & Saúde, v. 5, n. 2, p. 125-131, 2012.

LISBOA, C. R. Risco para úlcera por pressão em idosos institucionalizados. 2010. 123 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, UFMG, Belo Horizonte.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.