Os Sentimentos das Mães Diante do Diagnóstico de Pé Torto Congênito de um Filho

Ana Flávia Mundim Ramos, Maria Tereza Carvalho Almeida, Fernanda Alves Maia, Simone Monteiro Ribeiro, Mateus Costa Lima, Suelen Priscila Macedo Farias, Maria Rachel Alves

Resumo

Resumo: Objetivo: O diagnóstico de má-formação de um filho traz muitas consequências emocionais para a mãe. Este estudo tem o seu caráter singular ao investigar quais os sentimentos mais frequentes das mães frente ao diagnóstico de um filho com PTC, deformidade músculo-esquelética mais comum ao nascimento. Busca oferecer subsídios para minimizar o sofrimento das mães e sensibilizar os profissionais sobre a importância do momento do diagnóstico de crianças com deficiência física. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa. Utilizamos entrevistas semi-estruturadas, que foram gravadas e transcritas. Os dados foram sistematizados e submetidos à análise temática. Resultados: Foram encontrados os sentimentos de culpa, revolta, choque, surpresa, dúvida, frustração, desespero, aversão, preocupação, indignação, insegurança, ansiedade e aceitação. As entrevistadas relataram o despreparo dos profissionais ao dar o diagnóstico e os impactos que o modo de comunicação teve sobre elas. Conclusões: Concluiu-se que as mães conseguiram um nível de superação em relação aos sofrimentos iniciais. Todas elas demonstraram aceitação e desenvolveram uma relação de afeto positivo com o filho. No entanto, os níveis de desgaste inicial poderiam ter sido abreviados se elas tivessem recebido uma atenção profissional satisfatória no momento do diagnóstico.

 

 

Palavras-chave

Pé torto. Pé torto congênito. Relação mãe-filho. Sentimentos maternos e relação médico-paciente. Diagnóstico. Formação médica.

Texto completo:

Texto completo

Referências

REFERÊNCIAS

PEROSA GB, et al. Sintomas depressivos e ansiosos em mães de recém-nascidos com e sem malformações. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31 (9): 433-9.

Goldbeck L. 2006. The o impact of newly diagnosed chronic paediatric conditions on parental quality of life. Quality of Life Research. 2006; 15 (7) 1121-31.

Foster A, Davis N. Congenital talipes equinovarus (clubfoot) Orthopaedic IV: degenerative/paediatric disorders. Surgery. 2007; 25(4): 171-5.

Macnicol MF, Murray, AW. Changing concepts in the management of congenital talipes equinovarus. Symposium: surgery & orthopaedics. Paediatrics and Child Health. 2008; 18(6): 272-5.

Ponseti I, Pirani S, Dietz F, Morcuende J, et al. Pé torto, tratamento pelo Método de Ponseti. Global-HELP. 2005.

Radler C, Myers AK, Burghardt RD, Arrabal PP, Herzenberg JE, Grill F. Maternal attitudes towards prenatal diagnosis of idiopathic clubfoot. Ultrasound Obstet Gynecol. 2011; 37(6): 658-662.

Martins EHTS. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educ Pesquisa. 2004; 30(2): 289-300.

Bauer, MW, Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. (P. A. Guareschi, Trad.). Petrópolis: Vozes (Original publicado em

.

Marcon SS, Elsen I. Um estudo trigeracional sobre a experiência de famílias ao criarem seus filhos. Ciência Cuidado e Saúde. 2002; 1 (1): 111-6.

Maldonado MT, Dickstein J, Nahoum JC. Nós estamos grávidos. 2ª ed. São Paulo: Saraiva; 2002

Sá SMP, Rabinovich EP. Compreendendo a família da criança com deficiência física. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2006; 16(1): 68-84.

Buscáglia L. Os deficientes e seus pais: um desafio ao aconselhamento. 3ª ed. Rio de Janeiro: Record; 1997.

Figueiredo, AR. O psicólogo no acolhimento de mães de crianças especiais. I Fórum de Estudos Multidisciplinares IX Encontro de pesquisadores. Mai 5-9 2008 [acesso em 20 junho 2013] Disponível em http://legacy.unifacef.com.br/novo/publicacoes/IIforum/Textos%20EP/Adriana%20R%20Figueiredo.pdf.

Radler C, Myers AK, Burghardt RD, Arrabal PP, Herzenberg JE, Grill F. Maternal attitudes towards prenatal diagnosis of idiopathic clubfoot. Ultrasound Obstet Gynecol. 2011; 37(6): 658-662.

Martins, DA. Cuidando do portador de síndrome de Down e seu significante. Ciênc cuidad saúde. 2002; 1(1): 117-122.

Höher SP. Wagner ADL. A transmissão do diagnóstico e de orientações a pais de crianças com necessidades especiais: a questão da formação profissional. Estudos de Psicologia Campinas. 2006; 23(2): 113-125.

Ferrareto I, Ferreira A, Ignácio A, Prado AEO, Pinto MCF, Moura M J, & Rizzo AMPP. Ações integradas na reabilitação de crianças portadoras de paralisia cerebral. In: Kudo AM, Marcondes E, Lins L, Moriyama LT, Guimarães MLLG, Juliani RCTP & Pierri AS, organizadores. Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional em Pediatria. Monografias Médicas. 2. ed. São Paulo: Sarvier; 1994. 283-290.

Pierucin-materek M, Teijlingen EV, Barker S, Keenan KF, Miedzybrodzka, Z. Parenting a child with clubfoot: A qualitative study. International Journal of Orthopaedic and Trauma Nursing. 2011; 15(4): 176–184.

Coppola G, Costantini A, Tedone R, Pasquale S, Elia L, Barbaro MF, D’ADDETTA. The impact of the baby’s congenital malformation on the mother’s psychological well-being: an empirical contribution on the clubfoot. J Pediatr Orthop. 2012; 32 (5): 521-6.

Raines DA. Suspended mothering: women’s experiences mothering an infant with a genetic anomaly identified at birth. Neonatal Netw. 1999; 18(5): 35-9.

Lopes, GB. Kato, LS. Corrêa, PRC. Os pais das crianças com deficiência: reflexões acerca da orientação em reabilitação motora. Psicologia: Teoria e Prática. 2002; 4(2): 67-72.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.