Fraturas Faciais e Mandibulares: Uma Revisão Sistematizada da Literatura

Kevan Guilherme Nóbrega Barbosa, Sérgio d'Avila, Alessandro Leite Cavalcanti

Resumo

Objetivo: Revisar os eventos de fraturas faciais e mandibulares, caracterizando o perfil dos traumatizados baseado nas evidências disponíveis na literatura científica.

Método: A partir de uma estratégia de busca nas bases de dados PubMed, Lilacs e SciELO foram analisados os estudos sobre traumatismos faciais e mandibulares. Como critérios de inclusão foram adotados: artigos publicados nos idiomas inglês e português, no período de 2008 a 2012. Foram excluídas as revisões narrativas, teses, dissertações e monografias. As variáveis de interesse foram: ano e região (país), tamanho amostral, sexo e faixa etária, etiologia e região anatômica das fraturas. Os dados foram analisados descritivamente. Resultados: Foram incluídos dez artigos originais, sendo seis relacionados com fraturas faciais e quatro sobre fraturas mandibulares. O sexo masculino e a faixa etária entre 20-30 anos corresponderam às categorias mais afetadas, sendo o acidente de trânsito e a violência interpessoal os principais fatores etiológicos. A mandíbula representou a região anatômica mais comumente afetada, seguida das regiões zigomática e nasal. As fraturas mandibulares apresentaram como principal sítio de acometimento as regiões de côndilo, sínfise e parassínfise.

Conclusão: As fraturas faciais e mandibulares acomete indivíduos do sexo masculino, jovens, sendo o acidente de trânsito o principal mecanismo etiológico.

Palavras-chave

Etiologia. Ferimentos e lesões; Ossos faciais; Traumatismos faciais

Texto completo:

Texto completo

Apontamentos

  • Não há apontamentos.