Voz e canto popular do negro no cinema. Poética cinematográfica no documentário Adão ou Somos todos filhos da terra de Walter Salles e Daniela Thomas

Elen Döppenschmitt

Resumo

O documentário Adão ou Somos Todos Filhos da Terra (1999) de Walter Salles e Daniela Thomas permite uma análise acerca da importância dos usos da voz no cinema, considerando este um espaço privilegiado onde a presença de vozes (através de falas, cantos, poemas) evidencia importantes trocas entre o registro e as práticas da oralidade, bem como a veiculação de sistemas verbais no meio audiovisual. Assim, a presença do personagem Adão, cantor popular de origem africana, promove uma reflexão a partir do modo pelo qual imagem e som disputam o poder de representação. É através do diálogo entre universos orais específicos (de diferentes “culturas” ou “setores sociais”) e os sistemas de linguagens nos quais estão imersos, neste caso o cinema, que podemos ter acesso ao outro e a uma memória cultural que permanece, através de uma voz.

Palavras-chave

Cinema; Oralidade; Memória.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.